31 3213-0374 | 98955-5665 | 98766-5665 /

Bem-estar!

Valorize o que você tem de melhor!
Home > Cirurgia Plástica > Ritidoplastia (lifting facial)

Ritidoplastia (lifting facial)

Ritidoplastia (lifting facial)

A Ritidoplastia ou lifting facial procura diminuir a flacidez e atenuar as rugas da face e pescoço, assim como remover os excessos de gordura localizada nestas áreas, dando ao rosto uma aparência mais jovial. A ritidoplastia não elimina todas as rugas, mas o conjunto dos efeitos alcançados com a cirurgia levará a uma face rejuvenescida.

A CIRURGIA

Sabe-se que o resultado da cirurgia não interrompe o processo evolutivo de envelhecimento e, assim, seus efeitos não são definitivos. Pode-se operar a mesma pessoa duas ou três vezes, variando somente alguns detalhes técnicos nas reoperações. A pessoa estará sempre melhor na aparência do que se nunca tivesse sido operada. Não é possível, através da cirurgia, transformar uma face de 40 anos em outra de 20. Algumas pessoas são anatomicamente privilegiadas e conseguem resultados realmente surpreendentes, mas, de maneira geral, todos os pacientes ficam extremamente felizes com a cirurgia.

CONSULTA

Na consulta inicial, o paciente mostra, com a ajuda de um espelho, os problemas que deseja melhorar, analisando com o cirurgião as possibilidades e particularidades de cada caso. Os resultados não são os mesmos para formas de face, textura e flacidez de pele tão diferentes. Quanto mais idoso for o paciente, menor será a duração dos efeitos da cirurgia. O mesmo ocorre com os pacientes de pele seca e quebradiça. Ao contrário, aqueles mais jovens, com pele espessa e gordurosa, obtêm melhores resultados e efeitos mais duradouros.

Informações Adicionais de Ritidoplastia

A ritidoplastia não é cirurgia para o resto da vida. A qualidade dos resultados sofre alterações contínuas ao longo dos anos. Alguns fatores como idade, variação do peso corporal, qualidade e textura da pele, influências hormonais, exposições prolongadas ao sol, estilo de vida etc. interferem de forma incisiva na face, independentemente de ter ou não sido operada. No entanto, haverá sempre a defasagem da correção cirúrgica realizada. Assim, nova cirurgia poderá ser indicada quando, com o passar do tempo, essas alterações se apresentarem, alterando a aparência e a flacidez dos tecidos faciais. Essa nova cirurgia não é, entretanto, um retoque da primeira. É um novo procedimento que poderá ser indicado para nova correção dos efeitos do tempo na face.

IMPORTANTE: Resultados definitivos somente devem ser considerados após 12 meses da cirurgia. As cirurgias de retoques, quando necessárias, serão aconselhadas pelo cirurgião, devendo-se respeitar o tempo necessário para a adequação dos tecidos e acomodação das cicatrizes. Quando realizadas em momento inoportuno, as cirurgias podem não alcançar os resultados desejados. Os retoques não significam incapacidade técnica, mas uma revisão cirúrgica para se alcançarem resultados ainda melhores. Os custos desses possíveis retoques serão cobrados somente em relação às despesas hospitalares e de anestesista. Não serão cobrados honorários da equipe cirúrgica, desde que esses retoques sejam realizados no período sugerido pelo cirurgião.

Para fins de honorários, será considerado retoque todo procedimento indicado pelo seu cirurgião seguinte à primeira cirurgia, num período subsequente de 12 meses. Após esse período, qualquer intervenção cirúrgica será considerada como um novo procedimento, independentemente do primeiro, mesmo que realizado nas mesmas áreas.

O código de normas e condutas do cirurgião plástico da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica proíbe a exibição de fotos de pré e pós-operatório, mesmo que haja autorização do paciente. Proíbe, ainda, o uso de fotos de partes do corpo. A divulgação de preços e condições de pagamento em meios de comunicação, como jornal e TV é, também vedada.

Intercorrências do Lifting Facial

As intercorrências são situações que surgem no período pós-operatório e não interferem no resultado. São exemplos: equimoses (manchas roxas na pele), edema (inchaço), pequenos hematomas que podem drenar espontaneamente ou necessitar drenagem cirúrgica, eliminação de pontos internos (por volta de 3 semanas), deiscência de pontos (abertura do corte), seroma (coleção de líquidos que se formam pelo grande descolamento tecidual), alterações passageiras (melhoram após vários meses) ou definitivas da sensibilidade da pele etc. Em alguns casos, poderá ocorrer, após o 8º dia, a eliminação de certa quantidade de líquido amarelado ou sanguinolento por um ou mais pontos de cicatriz. Não é motivo de preocupação, porque, caso isto ocorra, não significa complicação. Outras intercorrências indesejáveis e mais complexas, que, felizmente, são raras, poderão ocorrer: infecção, grande deiscência (abertura) de pontos, necrose parcial ou total da pele próxima à cicatriz, grandes hematomas que precisam ser drenados e as intercorrências pertinentes a qualquer procedimento cirúrgico. Essas ocorrências, felizmente, não são frequentes e não costumam comprometer os resultados. Nessas eventualidades é fundamental manter a calma e conversar extensamente com o médico que cuidará atentamente do caso. O paciente não deve transmitir a existência dessas intercorrências a seus amigos e familiares. Eles poderão deixá-lo inseguro, nada podendo fazer efetivamente para ajudá-lo. Esse proceder gera angústia, dúvidas e insegurança. Continuar confiando no médico ainda é o melhor caminho e ele saberá como ajudar, pois só ele sabe realmente como foi realizada a cirurgia, em todos os seus detalhes.

A Cirurgia Facial

Após as fotografias pré-operatórias e o preparo dos cabelos, a cirurgia inicia-se sob anestesia local com sedação ou geral, dependendo da indicação do anestesista ou da preferência do cirurgião e em conformidade com o paciente.

 

As incisões (futuras cicatrizes) são postas de forma a camuflar ao máximo sua aparência e, assim, contornam as orelhas, sobem em direção ao couro cabeludo e, posteriormente, penetram na região pilosa de forma horizontal ou descendente. Como todas as cicatrizes, essas passarão por uma evolução natural até sua completa maturação (por volta de 12 a 18 meses), mudando do róseo ao tom semelhante da pele. Contudo, é bom lembrar que elas são permanentes e definitivas.

Todas as estruturas da face são reposicionadas, removendo-se os excessos de pele. É uma cirurgia de passos delicados e, assim, não se deve perder a qualidade em função da pressa. A cirurgia dura cerca de 4 a 5 horas, dependendo das associações cirúrgicas, como pálpebras, sobrancelhas, injeções de gordura, lipoaspirações. Deve-se sempre considerar um tempo maior de permanência no centro cirúrgico (cerca de 2 horas) em função do período que antecede a cirurgia para a preparação do campo operatório e anestesia, bem como do período de recuperação pós-anestésica. A internação hospitalar é recomendada por 24 horas ou de acordo com cada caso em particular.

O paciente sai da sala de operações com um curativo tipo capacete, que será mantido por 24 horas, quando é feita a primeira troca por outro mais fino, que permanecerá por mais 2 ou 3 dias. Esse curativo deixa os olhos, nariz e boca descobertos. Em seu primeiro retorno ao consultório, sugere-se que o paciente leve um lenço de cabeça e óculos escuros para seu retorno ao domicílio.

Muitos questionam acerca dos riscos da cirurgia. Toda cirurgia tem riscos, mas estes são geralmente previsíveis e, na maioria das vezes, controláveis. A cirurgia estética, como procedimento eletivo, é uma conduta cirúrgica planejada, podendo aguardar a oportunidade ideal para ser realizada, razão pela qual os riscos sistêmicos a ela inerentes são menores.

Raramente traz implicações sérias, entretanto, como todo ato cirúrgico, tem seu risco natural e imprevistos. Pode-se ter a certeza de que tudo será feito para evitá-los, proporcionando-se os melhores resultados. Deve-se lembrar que os maiores interessados nos bons resultados são o cliente e o cirurgião, e o bom relacionamento entre eles deve ser sempre procurado nas consultas.

Pré-operatório da Cirurgia Facial (Lifting Facial)

Após conversar com o médico e esclarecer todas as dúvidas, o paciente deverá fazer exames de rotina cerca de 10 dias antes da cirurgia, assim como uma avaliação clínico-cardiológica. Em alguns casos, pode-se solicitar a ultrassonografia ou outro exame específico que possa ajudar no esclarecimento diagnóstico.

Lembre-se das recomendações gerais para cirurgias plásticas. Nas duas semanas anteriores ao procedimento, não utilize medicamentos à base de Ácido Acetilsalicílico (AAS), anticoagulantes, corticoides de uso prolongado ou medicamentos para emagrecer. Não fume por 30 dias antes da operação. Não use cremes corporais a partir da véspera da cirurgia e não se depile ou raspe os pelos pubianos em casa. Fique em jejum de acordo com a recomendação médica (normalmente dez horas antes da cirurgia). Comunicar ao cirurgião qualquer anormalidade ou uso recente de medicamentos, assim como alergias. Guarde em casa objetos pessoais como joias e bijuterias e reporte qualquer outra recomendação que venha a ser pertinente. No dia da cirurgia, você deve acordar em jejum, tomar banho completo e chegar ao hospital 1 hora antes da cirurgia, com acompanhante.

Pós-operatório do Lifting Facial

A paciente receberá alta hospitalar tendo todas as recomendações necessárias a uma boa recuperação:

  • Repousar de atividades físicas e limitar os movimentos bruscos e amplos.
  • Deitar com o tronco elevado por almofadas e travesseiros. Não deitar de lado ou de bruços, até que seja autorizado pelo seu cirurgião.
  • Tomar banhos molhando a cabeça somente com a autorização da equipe cirúrgica (geralmente no dia seguinte à cirurgia).
  • Não trocar ou manipular os curativos, mesmo que haja um pequeno sangramento (o que é normal e não deve causar sustos). Todas as trocas de curativos deverão ser feitas pela equipe cirúrgica ou orientadas por ela.

OBSERVAÇÃO: Sangramentos copiosos ou variações volumétricas exageradas (inchaços, na maioria das vezes unilateral) e de acontecimento súbito acompanhados de dor, devem ser imediatamente comunicados ao médico. Pode tratar-se de um hematoma e deve ser avaliado prontamente.

  • Os retornos para a retirada de pontos e avaliação pós-operatória são feitos após oito dias da cirurgia. Retornos adicionais serão comunicados pelo cirurgião e devem ser seguidos para uma completa recuperação e avaliação dos resultados.
  • Não dirigir por um período mínimo de 2 semanas.
  • A sensação de olhos secos pode acontecer quando se associa à cirurgia das pálpebras. Geralmente recomenda-se o uso de colírios e pomadas oftálmicas na receita, mas, caso essa sensação esteja incomodando, deve-se comunicar ao médico.
  • Após um mês (ou antes, a critério médico) o paciente poderá retomar as atividades físicas habituais, como ginástica, natação etc.
  • A exposição ao sol com o intuito de bronzear somente será permitida após 30 dias (com proteção da cicatriz). Até então, pequenas caminhadas sob o sol poderão ser feitas com o uso de bloqueadores solares.
  • O paciente jamais deverá fazer compressas quentes na área operada para melhorar o inchaço. A pele ainda estará sensível e poderá ocorrer queimadura de 3º grau.
  • Recomenda-se a realização de massagens (drenagem linfática), tendo início no 5º dia de pós-operatório até cerca de 30 dias, ou de acordo com a avaliação médica.

No período pós-operatório imediato, o paciente permanecerá sonolento e poderá iniciar a dieta algumas horas depois da cirurgia, dependendo de cada caso. Isso será orientado pelo cirurgião e sua equipe. A cabeça ficará um pouco elevada, não podendo o paciente deitar-se de lado, para não comprimir a região operada.

A dor no pós-operatório é rara, podendo existir desconforto no primeiro dia devido ao curativo, e isso é facilmente contornado com analgésicos comuns, que serão prescritos pelo médico, juntamente com as medicações e orientações do pós-operatório. Não se devem tomar medicamentos sem o conhecimento do médico.

A partir da operação, o organismo reage com inchaço e manchas roxas na pele que podem variar de uma forma discreta a reações mais intensas, as quais podem aumentar nos três primeiros dias e, após isso, iniciam o processo de regressão.

É muito importante não usar blusas de gola nas duas primeiras semanas, evitando assim tracionar o lóbulo das orelhas ao serem retiradas.

Não é recomendado o uso de cremes hidratantes até a retirada total dos pontos, sendo que os esfoliantes e despigmentantes somente serão permitidos após avaliação do cirurgião (geralmente depois de 3 meses). Nesse período, somente é permitido lavar o rosto de forma suave com sabonete neutro e cremoso. Os cabelos poderão ser lavados cuidadosamente após o 2º dia da cirurgia, não se usando secadores quentes ou mornos (eles poderão danificar a pele e até queimá-la). Para pentear os cabelos, devem-se usar os dedos ou pente de dentes bem afastados.

A maquiagem poderá ser usada após cerca de oito dias e a exposição ao sol será restrita até o 3º mês da cirurgia. O uso de tintura de cabelo somente é permitido após 30 dias.

É comum o paciente observar assimetrias e pequenas irregularidades na face, que são absolutamente normais, pois a metade direita da face é diferente da esquerda, inclusive na maneira de reagir à cirurgia. Assim, de um lado poderá haver mais edema do que no outro, ou um lado pode absorver mais rapidamente o edema do que o outro.

A sensibilidade da face também é diferente nessa fase. É comum o relato da sensação de que a pele parece papel. Também pequenas nodulações podem ser percebidas ao acariciar-se a pele da face. Elas correspondem a pontos de cicatrização e deverão desaparecer lentamente. Isto tudo vai retornando ao normal com o passar do tempo, pois o organismo precisa esquecer que foi agredido e isso leva algum tempo, não comprometendo, contudo, o seu resultado.

Deve-se lembrar de que nenhum resultado cirúrgico deve ser avaliado antes dos três meses da intervenção, considerando-se a redução do inchaço. Nosso organismo trabalha de forma ordenada e dentro de um tempo certo. Temos que controlar nossas ansiedades e aguardar a evolução natural, pois aqui não se pode interferir para mudar o curso do processo cicatricial.

Dúvidas Frequentes de Ritidoplastia

Quantos anos irei rejuvenescer?

Não é possível, através da cirurgia, transformar uma face de 40 anos em outra de 20. Apesar de isso parecer óbvio, é importante ressaltar, já que informações errôneas são transmitidas por leigos desinformados ou pela mídia de forma distorcida. Alguns pacientes chegam a acreditar na possibilidade de se fazer “o relógio do tempo” ser retardado conforme sua vontade. Nenhum cirurgião plástico logrará esse intento. A cirurgia tem como objetivo principal devolver harmonia e suavizar os efeitos do tempo na face.

Como ficarão as cicatrizes? Desaparecerão?

A cirurgia plástica visa melhorar o aspecto da flacidez, rugas, sulcos etc., dando assim um rejuvenescimento à face. As cicatrizes, entretanto, serão permanentes, apesar de irem se tornando cada vez menos visíveis com o decorrer do tempo. Recursos cosméticos, maquiagem e penteados adequados disfarçam perfeitamente o inconveniente criado pelas cicatrizes recentes. Além disso, cada paciente comporta-se diferentemente de outro em relação à evolução das cicatrizes. Em certos casos, ela torna-se praticamente invisível. Apesar dessa advertência prévia, muitos pacientes costumam não se ater aos detalhes que são transmitidos durante a consulta inicial e passam a preocupar-se especificamente com a presença das cicatrizes no período pós-operatório imediato e mediato. Seja paciente, aguarde a evolução cicatricial do seu organismo.

Por quanto tempo persiste o resultado?

A cirurgia da face, pescoço e pálpebras retarda visualmente o processo de envelhecimento desses territórios. Retarda, mas não interrompe o processo evolutivo do organismo. Em alguns casos, há necessidade de retoques após certo tempo.

Há risco nessa operação?

Raramente a cirurgia de rejuvenescimento facial determina sérias complicações. Entretanto, sendo um procedimento cirúrgico, ocasionalmente poderão ocorrer imprevistos na evolução. Felizmente, isso geralmente é passível de correções posteriores, mediante revisões cirúrgicas.

As fotografias pré e pós-operatórias são importantes?

Sim. A única maneira de se avaliar o resultado obtido é a comparação entre as fotografias pré e pós-operatórias, realizadas sob condições fotográficas idênticas nesses dois períodos. As fotografias dos pacientes fazem parte de seus prontuários médicos.

Que tipo de anestesia é utilizado para a operação?

Tanto a anestesia geral quanto a local ou a associada são utilizadas, dependendo de cada caso. Seu cirurgião deverá sugerir-lhe a mais conveniente.

Quanto tempo demora o ato cirúrgico?

Em caso de cirurgia completa, envolvendo face, pálpebras e pescoço, o ato cirúrgico poderá se estender de 4 a 6 horas, dependendo do caso. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois essa permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

Qual o tempo de internação?

Meio período até 24 a 36 horas, de acordo com a necessidade de cada caso, sempre se levando em conta o conforto e segurança do paciente.

São utilizados curativos?

Sim. Geralmente são utilizados curativos secos. O grande curativo é retirado em torno das primeiras 24 horas, podendo ficar apenas um curativo leve sobre as cicatrizes residuais, após esse período.

Os olhos ficam ocluídos no pós-operatório?

Não obrigatoriamente. Poderá ser recomendada a aplicação de compressas de algodão embebido em água fria sobre os olhos, ou conduta similar, que podem ser trocadas conforme o paciente o deseje. Isto diminui a intensidade do edema pós-operatório sobre os olhos.

Há dor no pós-operatório?

O pós-operatório geralmente não apresenta problema de dores, desde que o paciente observe as recomendações do cirurgião. Ocasionalmente poderá ocorrer discreta dor, que poderá ser perfeitamente tratada com analgésico de linha comum.

Quando são retirados os pontos?

A maioria dos pontos das pálpebras é removida após 3 a 5 dias. Os remanescentes (face, pescoço, couro cabeludo), entre 8 e 12 dias.

O “corte de cabelo” preparatório para a cirurgia é muito extenso? Poderá ser disfarçado no pós-operatório?

Os cabelos são cortados somente naquelas áreas onde se planeja localizar as cicatrizes. No pós-operatório imediato, esse inconveniente poderá ser perfeitamente disfarçado.

Qual a evolução pós-operatória?

Não se esqueça de que, até que se complete o período de pós-operatório, diversas fases evolutivas são características desse tipo de cirurgia. Edemas (inchaço), “manchas” de infiltrado sanguíneo, hipersensibilidade de algumas áreas, insensibilidade de outras são comuns a todos os pacientes; evidentemente, alguns pacientes apresentarão esses fenômenos com menor intensidade que outros. Dê tempo ao tempo, que o seu organismo se encarregará de dissipar todos esses pequenos transtornos. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida para o médico. Daremos esclarecimentos necessários para sua tranquilidade. Um curto período de “depressão emocional” poderá ocorrer nos primeiros dias, devido ao aspecto transitório. Isso é passageiro e geralmente advém da “ansiedade em ser atingir o resultado final o quanto antes”. Tenha paciência. Lembre-se de que nenhum resultado de cirurgia de rejuvenescimento facial deverá ser avaliado antes de 3 a 6 meses pós-operatórios.


DR. FREDERICO VASCONCELOS // CIRURGIÃO PLÁSTICO
  • Formado em Medicina pela Faculdade de Ciencias Médicas de Minas Gerais - FCMMG - BH/MG.
  • Especialização em Cirurgia Geral pelo Hospital Biocor - Nova Lima Grande BH/MG.
  • Especialização em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José / Feluma-FCMMG - BH/MG.
  • Membro do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.
  • Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia.
  • Membro do Conselho Regional de Medicina de MG.
  • Membro do Conselho Regional do ES.
  • Membro do Corpo Clínico de Cirurgia Plástica do Hospital Materdei.
  • Membro da Equipe de Cirurgia Plastica do Hospital Villa da Serra.
cirurgia plástica cirurgia plastica